Em meio a polêmica, Letícia Colin diz que “tem que ter muita cara de pau para se fingir de baiano”

GPS da FAMA

A atriz Letícia Colin (Foto: João Cotta Cropada)
A atriz Letícia Colin (Foto: João Cotta Cropada)

A atriz Letícia Colin estreou recentemente em sua primeira novela das 21h com uma personagem fixa. Ela, que atuou nos primeiros capítulos de A Regra do Jogo em 2015, está na nova novela do autor João Emanuel Carneiro, Segundo Sol. Interpretando a prostituta Rosa, ela falou um pouco sobre o teor da personagem em entrevista ao site Gshow.

Acho que a relação brasileira com o corpo tem uma coisa, assim, muito tranquila. Um jeito de estar, de existir, de andar muito livre, muito digno, e a Bahia tem essa liberdade, esse jeito de se viver e de caminhar que fala de ginga, que vem da capoeira… Isso tudo tem uma sensualidade que emana e eu sabia que a Rosa tinha que ter isso”, conta.

Letícia relembrou a composição da princesa Leopoldina, em Novo Mundo: “A Leopoldina me fez ter uma noção muito maior de como é compor um personagem e me deu muita coragem para poder realmente fazer composições muito mais arriscadas, mexendo em tudo: no peso, na estrutura, nas formas do corpo, nessa falta de maquiagem”.

+É de Casa sofre derrota histórica para a Record e é cortado no meio da exibição pela Globo

Em meio à polêmica envolvendo o elenco de Segundo Sol, ela revelou que a princesa a ajudou a “montar” Rosa: “A Leopoldina tinha um sotaque superduro, quadradão, austríaco, então acho que ela me deu muita coragem para poder chegar agora e fazer a Rosa, sabe? Até porque tem que ter muita cara de pau para se fingir de baiano (risos)”.

Com uma personagem diferente fisicamente, Letícia ainda contou que precisou mudar sua relação com o corpo para interpretar a prostituta. Mesmo princesa, Leopoldina não era vaidosa em relação ao corpo, o oposto de Rosa, que precisa apostar na sensualidade para levar adiante a sua carreira como garota de programa.

“A Leopoldina tinha enchimento, então eu estava em uma fase bem tranquila porque era uma personagem que realmente não tinha vaidade e precisava até ser mais rechonchuda por causa da época. A Rosa é uma mulher que movimenta a sensualidade, desperta paixões, que te provocar alguma coisa, então ela tinha que ter esse impacto”, disse.

Em meio a polêmica, Letícia Colin diz que “tem que ter muita cara de pau para se fingir de baiano”