Após morte brutal, Latino transforma cinzas de macaco em diamante

GPS da FAMA

Cantor Latino (Foto: Divulgação)

Conforme já noticiamos aqui no GPS da FAMA, o macaco de estimação de Latino, Twelves, acabou morrendo de forma brutal, ao ser atropelado por um veículo no próprio condomínio do músico, na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio. O acidente aconteceu após ele fugir de casa.

A informação foi confirmada pela assessoria do artista, de acordo com o jornal Extra, e, segundo ela, a morte aconteceu por volta das 13h. A situação de Latino não está nada fácil. “O macaco morreu atropelado após fugir de casa. Latino está inconsolável, arrasado”, afirma a nota.

Segundo o agente do cantor, ele está “chorando muito e não fala com ninguém”. “Estava tomando café de manhã feliz conosco, dormiu conosco. Estou tentando manter a calma, mas a gente está perdido aqui. Latino e eu viemos para o Rio para gravar um clipe dele”, explica sua noiva.

+ Com ajuda de Michel Teló, Thaís Fersoza deve ir para a Globo e entrar em programa do ex

“Agora, nem sei mais o que vai acontecer. Estamos desnorteados”, completou a noiva. O macaco estava com 5 anos de idade e já havia sido notícia em julho do ano passado, quando sumiu e deixou o cantor desesperado. Ele foi reencontrado, mas agora, o acontecido não tem mais solução.

Após o ocorrido, o corpo de Twelves foi cremado em um cemitério de animais, e agora, o cantor receberá um diamante feito com os restos mortais do macaco prego. O próprio crematório oferece o serviço de produção artesanal do diamante elaborado a partir das cinzas de humanos e animais.

“Ele vai eternizar seu bicho de estimação com a forma de uma joia”, disse a empresa. Em seu perfil no Instagram, Latino fez uma enquete para saber se deveria ou não aceitar a homenagem, e a maioria dos votos foram positivos.

CONTROVÉRSIAS

A ONG Ampara Silvestre teceu duras críticas ao cantor Latino por conta da criação de seu macaco, Twelves, que veio a falecer nesta semana após ser atropelado no Rio de Janeiro.

Por intermédio das redes sociais, a instituição manifestou indignação. “Já era a segunda fuga do macaco prego, ambas foram na mesma região, local de mata. É evidente que ele sentia a necessidade de um contato maior com a natureza e liberdade”, disparou a organização.

+ Denilson se empolga, chama Renata Fan para dançar sertanejo ao vivo na Band e tem resposta negativa

E continuou: “Entendemos o encanto que os animais causam nas pessoas, mas isso não lhes dá o direito de tê-los. Compartilhem informação. Silvestre não é pet! Seu lugar é na natureza e podermos vê-los em seu habitat natural é inigualável”.

Apesar das críticas, a ONG lamentou a fatalidade com o animal. “Gostaríamos de deixar claro que a morte também doeu em nós, mas não podemos deixar de nos posicionar sobre mais um caso de animal silvestre tratado como pet”, disse em outro trecho do post.

Após morte brutal, Latino transforma cinzas de macaco em diamante