Aline Barros confrontou ex-assistente sobre homossexualidade e a discriminou nos bastidores

Aline Barros em apresentação com Rejane Silva Magalhães (Foto: Reprodução)

A cantora Aline Barros foi alvo de controvérsias ao longo dos últimos anos, desde que passou a admitir, em entrevistas, ser contra a prática homossexual. Agora, a artista gospel passa a se envolver em uma polêmica que não envolve apenas os seus conceitos religiosos, mas a intolerância e a discriminação contra Rejane Silva Magalhães, além de processos trabalhistas.

Alexandre Frota fala o que quer e terá que pagar caro na Justiça; saiba o valor

Rejane, que era uma das suas mais antigas assistentes e que trabalhava como backing vocal em todos os shows de Aline, alega que passou a ser discriminada desde que a sua orientação sexual começou a ser motivo de rumores nos bastidores.

Representante de Rejane e de outros cinco membros da banda, o advogado Giovanni Ítalo de Oliveira afirmou ao GPS da FAMA que Aline Barros chegou a confrontar a sua funcionária sobre tais boatos envolvendo a sua sexualidade, mas ela negou, por não ser assumida e por também ser evangélica.

“Foi lhe questionado pela cantora se de fato isso procedia e se de fato ela era gay, o que acabou sendo negado. A partir daí, não sei se por investigação ou por algum outro tipo de procedimento, já não havia mais dúvidas em relação a isso, e ela [Rejane] passou a ser assediada moralmente”.

Atriz bate o pé e se recusa interpretar personagens “rasas” na Globo

“[Rejane Silva] era tratada com indiferença, era discriminada, não era convocada para a totalidade dos shows, e teve uma redução de ganho e recebimento. Muitas viagens que faziam de avião, foi lhe determinado que fizesse de ônibus”.

Aline Barros em apresentação com Rejane Silva Magalhães (Foto: Reprodução)

Ele afirma que tais atitudes aconteceram ao longo dos cinco últimos meses de trabalho de Rejane, que se submeteu à todas essas atitudes, antes de ser dispensada: “Ela acabou sendo demitida e não foi reconhecido nenhum vínculo de emprego, não foi paga nenhuma verba trabalhista para ela. Daí a questão da ação”.

Adriane Galisteu relata rejeição de outras emissoras e volta por cima na Globo

Segundo Giovanni, Rejane não recebeu os direitos trabalhistas ao longo de todo o período de trabalho, desde 2005, e agora, o caso corre na 4ª Vara do Trabalho do Rio de Janeiro, onde Aline Barros é processada por não reconhecer direitos básicos como fundo de garantia, 13º salário e férias.