Google é acusada de registar as movimentações dos smartphones contra a vontade dos utilizadores

A Google está a ser alvo de um processo crime, sendo acusada de rastrear as movimentações de milhões de utilizadores de iPhone e Android, mesmo quando os utilizadores utilizam opções de privacidade para prevenir que tal aconteça.

O processo foi colocado por um indivíduo americano de San Diego, Napoleon Patacsil, que processa a gigante tecnológica em nome dos utilizadores dos Estados Unidos de Android e iPhone que desligaram as opções de rastreamento. É alegado que a Google está intencionalmente a violar as leis de privacidade da California.

De onde surgiu este caso do suposto rastreamento?

O alegado rastreamento ilegal por parte da Google foi primeiro reportado a 13 de Agosto num artigo da Associated Press, onde era referido que investigadores de ciência computacional da reputada universidade de Princeton teriam detectado este rastreamento por parte da universidade de Mountain View, mesmo quando as opções de rastreamento estão desligadas.

Ainda não existe reacção oficial por parte da empresa

Até agora, a Google ainda não reagiu a este processo. Pressionada pelos média que pretendem uma reacção oficial, a empresa prefere, por agora, remeter-se para o silêncio. Mas o silêncio também foi a regra do outro lado: tanto Patacsil, quanto a firma de advogados Lieff Cabraser Heimann & Bernstein, preferiram permanecer largamente em silêncio perante as perguntas dos repórteres.

Porém, Patacsil terá dito algumas coisas aos jornalistas. Referiu que o “objectivo principal” da Google seria “monitorizar” de forma clandestina os utilizadores e deixar que empresas terceiras fizessem o mesmo.

A Google poderá já ter reconhecido que existe alguma verdade nestas acusações

Apesar de não existir qualquer reacção oficial, parece que a Google poderá ter reconhecido alguma veracidade nestas acusações. A secção de ajuda do website da Google agora refere que desligar o Histórico de Localização “não afecta outros serviços de localização” nos telemóveis e que “alguma informação de localização pode ser salva através de outros serviços, como a Busa e o Maps”.

Fonte: Reuters

Veja também…