Surto de gripe atinge comércio e lojistas precisam driblar enxurrada de atestados

Foto: Hermes de Paula

O avanço e alto contágio da gripe H3N2 têm levado lojas de João Pessoa/PB a enfrentar dificuldades para manter o funcionamento normal. Segundo a Câmara de Dirigentes Lojistas da Capital, empresários informaram à entidade que há registros consideráveis de funcionários contaminados.

O vice-presidente da CDL, Sério Miranda, relatou que o problema tem sido constatado principalmente em shoppings, onde os estabelecimentos precisam funcionar por mais tempo. Os atestados médicos têm mantido os funcionários, em média, afastados dos serviços por três ou seis dias, dependendo de cada caso.

“Algumas lojas de shoppings que têm um horário mais extenso estão sofrendo mais com a falta de funcionários. Como tem que se estender até às 22h da noite, (as empresas) estão com dificuldade de manter as lojas abertas”,  afirmou.

Para Sérgio, o surto de H3N2 também tem aumentado as dificuldades que as empresas já enfrentam com a pandemia do novo coronavírus desde 2020.

“Dificuldades financeiras de honrar com suas as suas compras. Quando chega uma gripe que deixa sem um funcionamento total, prejudica a sociedade como um todo. Vai ser menos geração de impostos, mais gente penduradas em INSS por alguém que tenha alguma comorbidade. Mas é um fator natural que as lojas tem enfrentado de peito aberto”, destacou.

Com Mais PB