Secretaria do Trabalho coloca em prática projeto de incentivo à produção de flores e plantas ornamentais

0
100

Com o objetivo de gerar emprego e renda, difundindo o cultivo e a comercialização de espécies nativas da Mata Atlântica de João Pessoa, a Secretaria do Trabalho, Produção e Renda (Setrab) está colocando em prática o projeto de flores tropicais e plantas ornamentais. As ações começam efetivamente no próximo mês de julho.

Nesse primeiro momento, a iniciativa pretender beneficiar 50 famílias, das 250 cadastradas este ano no programa de assistência técnica e orientação aos agricultores da região urbana e periurbana do município, como fomento à geração de trabalho e renda.

Você já imaginou acertar 14 pontos com apenas 14 JOGOS na Lotofácil ?

Uma plataforma completa com inteligência artificial Que te GARANTE 14 e até 15 Pontos com apenas 14 Bilhetes.
Hoje você poderá se tornar um apostador PROFISSIONAL!

COMPRAR AGORA

ESTA OFERTA PODE SAIR DO AR A QUALQUER MOMENTO, APROVEITE!

“Nosso objetivo é promover o cultivo e a produção de plantas ornamentais e flores tropicais para agricultura familiar, no sentido de ampliar as oportunidades de negócios dos produtores, gerando desenvolvimento econômico e social. Com isso, pretendemos criar uma cadeia produtiva de flores tropicais concentrada na cidade de João Pessoa”, destacou a secretária municipal de Trabalho, Produção e Renda, Vaulene Rodrigues.

Seleção – Os agricultores serão selecionados em grupos de 10 famílias que receberão, além dos rizomas das vivácias e mudas de outras espécies adquiridas pela Setrab, os cursos para a produção, manejo, multiplicação e confecção de arranjos ornamentais. A capacitação vai ocorrer no Viveiro Escola, em uma parceria com a Secretaria de Meio Ambiente de João Pessoa (Semam) e o Serviço Social do Comércio (Sesc).

Nesse processo, a Secretaria do Trabalho está fazendo a multiplicação de mil mudas para a geração de 10 mil novas. Estão sendo utilizados compostos orgânicos que foram cedidos pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB) e compostos de ostras e mariscos enviados pela Associação das Marisqueiras de Mandacaru, como fonte de adubo sustentável.