Ricardo não confirma candidatura a prefeito: “não tenho ambição”

Envolvido prioritariamente na programação do final do seu mandato, o governador Ricardo Coutinho (PSB) assegurou, ontem, que, por enquanto, não está cogitando a hipótese de voltar a concorrer à prefeitura de João Pessoa, para a qual se elegeu duas vezes. “Não estou discutindo 2020. Tenho que concluir este mandato e estar à disposição de João Azevedo (governador eleito), principalmente no início da caminhada, para que a gente se reinvente. Acho que minha experiência e liderança e experiência me habilitam a tentar ajudar, caso seja chamado. Quanto ao resto, não pensei”, frisou ele.

Ricardo Coutinho lembrou que para sair candidato a governador em 2010, decidiu quatro meses antes. “Fui numa aventura enorme, porque enfrentamos tudo com pouca coisa e ganhamos a eleição. O futuro está aí para ser construído. Não tenho a menor ambição ou ideia daquilo que possa fazer depois de janeiro”, acentuou, observando que considera até um dever moral colaborar com o sucessor nos primeiros passos que ele vai empreender, apesar do conhecimento e domínio que João Azevedo tem da máquina administrativa.

O gestor que está concluindo seu segundo período à frente do Executivo estadual e que tomou a deliberação de não se candidatar ao Senado este ano, embora fosse favorito para uma das vagas em disputa, venceu as eleições para prefeito de João Pessoa em 2004 derrotando Ruy Carneiro, que este ano foi eleito novamente para a Câmara Federal. Em 2008, Coutinho derrotou o deputado estadual João Gonçalves. Tanto Ruy quanto João disputaram pelo PSDB. Coutinho havia rompido com o Partido dos Trabalhadores por enfrentar boicote à pretensão de disputar a prefeitura da Capital, tendo ingressado, então, nos quadros do PSB, o qual preside até hoje.

Na primeira oportunidade, Ricardo teve como vice-prefeito Manoel Júnior, então filiado ao PMDB, que hoje é vice-prefeito de Luciano Cartaxo (PV) depois de ter perdido a disputa para deputado federal. Em 2008, Coutinho lançou mão de chapa puro-sangue, indicando Luciano Agra, do PSB, para seu vice, com isto ignorando listas de nomes apresentadas por dirigentes de outros partidos, inclusive o PMDB do senador José Maranhão. No governo do Estado, Ricardo teve dois vices – Rômulo Gouveia, do PSDB, no primeiro mandato, e Lígia Feliciano, do PDT, no mandato que está sendo concluído. Lígia permanecerá no posto, já que integrou a chapa de João Azevedo, que foi vitoriosa em primeiro turno no pleito deste ano.