PT encolheu na Paraíba e ficou sem representante na Assembleia

0
94
PT encolheu na Paraíba e ficou sem representante na Assembleia
PT encolheu na Paraíba e ficou sem representante na Assembleia

O desgaste nacional enfrentado pelo Partido dos Trabalhadores teve reflexos nas eleições gerais de 2018 na Paraíba, quando a legenda foi praticamente varrida da Assembleia Legislativa, onde chegou a ter três representantes. O ex-deputado estadual Frei Anastácio Ribeiro partiu para a disputa do mandato de deputado federal e saiu vitorioso, alcançando 91.408 sufrágios. Ele substitui na Casa ao ex-deputado federal Luiz Couto, que se projetou atuando na área dos Direitos Humanos e que resolveu concorrer a uma cadeira ao Senado, tendo votação expressiva e superando, inclusive, o derrotado senador tucano Cássio Cunha Lima, que tentava a reeleição. Mas a votação de Couto foi insuficiente para dar-lhe uma cadeira no Senado.

Em compensação, ele foi convidado pelo governador eleito João Azevedo, do PSB, para assumir a secretaria de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento do Semi-árido. Deputado estadual por dois mandatos e deputado federal por quatro mandatos, Luiz Couto foi relator da CPI dos grupos de extermínio do Nordeste. Ele também presidiu o diretório estadual do Partido dos Trabalhadores e foi candidato da legenda a prefeito de João Pessoa, sendo derrotado pelo tucano Cícero Lucena. A candidatura de Couto ao Senado originou-se de uma articulação do ex-governador Ricardo Coutinho, do PSB, que era cotado para disputar vaga naquela Casa mas preferiu permanecer no mandato até o último dia a pretexto de evitar “governos paralelos” e interrupções nas metas e obras que tinha para inaugurar.

A reaproximação entre Coutinho e o Partido dos Trabalhadores foi um fato novo na conjuntura política paraibana. O rompimento acontecera desde 2004, quando Ricardo, então deputado estadual pelo PT, tentou ser candidato a prefeito de João Pessoa mas foi “rifado” internamente, por não ser “confiável” a grupos que monopolizavam a cúpula do partido, em que se incluía o próprio Luiz Couto, que chegou a ter embates internos sérios com Ricardo. Eleito prefeito da Capital pelo PSB e reeleito em 2008, Coutinho emitiu acenos de recomposição com o PT no segundo mandato de governador, empalmado a partir de 2015. No plano nacional, Ricardo foi o anfitrião dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff em cerimônias como a da chegada das águas da transposição do rio São Francisco. O governante também protestou contra o impeachment de Dilma Rousseff e a investidura do emedebista Michel Temer. Na campanha eleitoral de 2018, fechou posição ao lado da candidatura de Fernando Haddad, do Partido dos Trabalhadores, contra Jair Bolsonaro, substituindo ao ex-presidente Lula, que fora vetado pelo Tribunal Superior Eleitoral, por entender que ele foi alcançado pela Lei da Ficha Limpa, que, curiosamente, foi sancionada por Lula quando presidente da República.

O PT perdeu outro foco de poder importante na Paraíba e no Nordeste – a prefeitura de João Pessoa. Em 2012, o atual prefeito Luciano Cartaxo concorreu pela legenda e ganhou o pleito no segundo turno contra o então senador Cícero Lucena, do PSDB. Com o estouro de denúncias em nível nacional sobre o mensalão e envolvimento de cabeças coroadas da cúpula petista, Cartaxo preferiu evitar desgaste e deixou a agremiação, ingressando inicialmente no PSD que era presidido pelo deputado federal Rômulo Gouveia, falecido no ano passado. Foi no PSD que Luciano experimentou a reeleição à prefeitura da Capital, conquistada em 2016, vencendo em primeiro turno e tendo como principal adversária a hoje deputada estadual Cida Ramos, lançada pelo PSB do então governador Ricardo Coutinho. Cartaxo não esquentou cadeira no PSD e logo migrou para o Partido Verde. Na campanha de 2018, apoiou a candidatura do irmão, Lucélio, também filiado ao PV, como candidato a governador, numa aliança com o clã Cunha Lima e a senadora eleita Daniella Ribeiro, do PP. Lucélio teve como candidata a vice a doutora Micheline Rodrigues, mulher do prefeito de Campina Grande, Romero Rodrigues, mas a chapa não foi sequer ao segundo turno, embora tenha ficado em segundo lugar na corrida, abaixo do candidato eleito João Azevedo, apoiado por Ricardo Coutinho.

O próprio PT nacional exibia a Capital da Paraíba como um trunfo por ser a única do Nordeste, há poucos anos, governada pela agremiação. Em 2018, quando intensificou-se a “nordestinização” do PT com a conquista de governos em Estados da região, graças à influência do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, João Pessoa e a Paraíba não tiveram menções especiais no mapa nacional do Partido dos Trabalhadores, embora a votação expressiva de Luiz Couto ao Senado tenha sido destacada, bem como a eleição de Frei Anastácio Ribeiro a deputado federal. Na Assembleia Legislativa, o ex-deputado Anísio Maia, que é suplente enão foi reeleito pelo PT, tenta voltar ao mandato titular mediante uma articulação do governador João Azevedo com a convocação de um deputado da sua base para secretaria de Estado. Nos municípios, o PT perdeu hegemonia em várias regiões. O presidente estadual, Jackson Macêdo, tenta reorganizar a sigla e promover campanha de filiação para oxigenar os quadros petistas no futuro.

Deixe uma resposta