QUEM É O LÍDER RURALISTA QUE ESTÁ TENTANDO IMPEDIR A CARAVANA DE LULA

DE SANTA MARIA, POR JOAQUIM DE CARVALHO, EM REPORTAGEM FINANCIADA PELOS LEITORES, ATRAVÉS DE PROJETO DE CROWDFUNDING.

Lula encerrou por volta das 21h30 o discurso que fez para moradores do bairro Nova Santa Marta, em Santa Maria, Rio Grande do Sul. Parecia bem humorado e lembrou quando esteve lá, na década de 90, quando a área era uma ocupação de movimento de trabalhadores sem teto. O bairro hoje está urbanizado, e uma da pioneiras, Elisa Pinheiro, conta como sua vida foi transformada.

“Cheguei aqui como uma doméstica que dormia e acordava com a preocupação do aluguel”, disse ela, que é presidente da associação dos moradores. Hoje, ela tem dois filhos na universidade, e já não vive do emprego doméstico.

“Minha vida se transformou. Dignidade, a gente sempre teve. Só que agora nós pudemos melhorar um pouquinho. Filho de pobre virou doutor. E eu falo isso com orgulho”, afirmou, enquanto Lula, do alto do caminhão de som, discursava.

Leia Também


REINALDO AZEVEDO: Rosa Weber pode mudar voto e Cármen Lúcia deu sua…

21 mar, 2018


QUE VERGONHA! Joice da direita xucra inventou notícia de que Cármen…

21 mar, 2018

Se Lula estava preocupado, não demonstrou.

Durante a tarde, deputados petistas procuraram o governo federal e o governo estadual para denunciar ameaças que a caravana vem sofrendo.

“São as mesmas pessoas, é uma milícia armada, que tem perseguido a caravana para nos ameaçar. Só que não vão nos amedrontar. O que queremos é que os governos estadual e federal saibam que a segurança de dois ex-presidentes — Lula e Dilma — é de responsabilidade deles”, disse Gleisi Hoffmann, presidente nacional do partido.

Enquanto Lula discursava, nos bastidores assessores e lideranças petistas discutiam duas notícias que chegavam de Brasília. Uma dava conta de que o ministro Marco Aurélio Mello, do STF, decidiu levantar uma questão de ordem na sessão desta quarta-feira, no Supremo Tribunal Federal, sobre a não inclusão, na pauta da corte, da ação que decide se é inconstitucional a prisão a partir da condenação em segunda instância. O alvo da questão de ordem é Cármen Lúcia, presidente do STF.