Peritos da PF: não há evidência de fraude e urna eletrônica é segura

0
114

Foto: Antonio Augusto/Ascom/TSE

Foto: Antonio Augusto/TSE

Você já imaginou acertar 14 pontos com apenas 14 JOGOS na Lotofácil ?

Uma plataforma completa com inteligência artificial Que te GARANTE 14 e até 15 Pontos com apenas 14 Bilhetes.
Hoje você poderá se tornar um apostador PROFISSIONAL!

COMPRAR AGORA

ESTA OFERTA PODE SAIR DO AR A QUALQUER MOMENTO, APROVEITE!

CAMILA MATTOSO
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – A Associação Nacional dos Peritos Criminais Federais afirma em nota divulgada nesta quinta-feira (5) que não há até o momento “qualquer evidência de fraudes em eleições brasileiras”.

A manifestação dos peritos ocorre um dia após o presidente Jair Bolsonaro insistir em utilizar investigações da Polícia Federal para sustentar a tese sem comprovação sobre fraudes no sistema eleitoral brasileiro.

Na quinta (29), durante live com o presidente, o ministro da Justiça, Anderson Torres, se valeu dos relatórios de peritos federais para corroborar a tese apresentada por Bolsonaro. A live passou a ser investigada pela própria PF no inquérito das fake news.

Como mostrou a coluna Painel, da Folha de S.Paulo, os peritos participam dos testes de segurança das urnas desde 2016, encontraram falhas e vulnerabilidades nos sistemas e defendem a impressão do voto como forma adicional de auditoria. Entretanto, descartam a ocorrência de fraude.

De acordo com os peritos, as falhas não indicam que “houve, há ou haverá” fraudes nas eleições e os testes servem para “apontar ajustes e aperfeiçoamentos necessários para a continuidade do curso normal das eleições”.

“Destaca-se que uma eventual comprovação de fraude não estaria restrita unicamente à análise das urnas, mas também de outros elementos probatórios, como transferências de ativos, de mensagens, de imagens, de áudios e de documentos que possam demonstrar o engajamento efetivo de pessoas com a intenção de prejudicar o processo eleitoral”, afirmam os peritos.

Sobre a defesa da impressão do voto, a associação afirma que se trata de uma “opção a mais de auditoria e de aprimoramento do processo eleitoral”, mas que o debate deve ser científico e não deve levar em conta “descontextualizações que objetivem sustentar teorias não comprovadas.”

Com Folhapress