Pare de roer unhas com essa incrível criação

Roer as unhas é uma prática complicada de largar. Quando menos se espera a mão está na boca e dependendo da frequência e da força aplicada, causa até ferimento nos dedos.

Para ajudar quem sofre com os dedinhos machucados e a si próprio, Paulo Gannam teve a ideia de inventar um Protetor de Unhas para Portadores de Onicofagia e pediu para que uma artesã produzisse as peças.

Sua utilização é muito simples, basta colocar o protetor feito de látex cobrindo as pontas dos dedos e pronto! Uma barreira foi criada dificultando o acesso às unhas.

A película que não impede a transpiração e também não atrapalha o toque, foi desenvolvida em vários modelos que podem ser usados por crianças e adultos.

Para Gannam, seu invento tem um viés psicológico porque acaba fazendo a pessoa prestar atenção em que momento sente vontade de roer as unhas e a faz refletir o que ocasionou esse desejo.

O inventor já tinha tentado outros métodos para acabar com seu vício, mas todos sem sucesso. Foi assim que resolveu desenvolver um próprio.

Ansiedade leva a roer unhas

Existem diferentes graus desse hábito, desde o que rói apenas as unhas e até os que acabam sangrando a ponta dos dedos.

Deve também ser levado em consideração o acúmulo de germes debaixo das unhas que são levadas para dentro do organismo cada vez que a prática de roer se repete, causando doenças e até infecções.

No caso de Gannam, esse hábito afetou sua mandíbula, causava cefaleia e o impedia de fazer trabalhos em que o uso das mãos era essencial.

Segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia, a ansiedade, sendo tratada, ajuda a impedir esse impulso e muitos pacientes optam por essa abordagem utilizando remédios.

Mas para tratar as causas para tal ansiedade tem que ter a ajuda de um psicólogo, dessa forma o profissional vai ajudar o paciente a chegar no centro do problema.

Justamente aí que entra essa invenção, além da barreira física, incentiva o indivíduo a parar e refletir o que o está levando a fazer tal ato.

Onde comprar?

O brasileiro ainda não conseguiu comercializar as peças, pois não arranjou ninguém que queira patrocinar seu invento.

O que achou a ideia? Seria um boa opção para você? Compartilhe com as pessoas que conhece e que roem unhas!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *