Temer diz que ‘dá assistência’ a venezuelanos em Congresso da ONU

Imagem: Temer em Nova Iorque / divulgação

O presidente Michel Temer (MDB) disse que o Brasil tem dado apoio aos refugiados venezuelanos que buscam uma nova vida no país. Ele fez pronunciamento na manhã desta terça-feira (25) durante a abertura da 73ª Assembleia Geral da Organizações das Nações Unidas (ONU).

Temer afirmou que é dever do Brasil proteger os que chegam ao território nacional e o país procura “dar toda assistência”. “Construímos abrigos,  temos promovidos sua interiorização para outras regiões do pais, emitimos documentos para que possam trabalhar”, disse.

O emedebista também citou que o país dá “educação e saúde” para todos os refugiados que chegam no país. Para Temer, a situação dos refugiados da Venezuela vai melhorar quando o país conseguir reverter a crise que está vivendo. “Somos um povo [brasileiros] forjado na diversidade. Há um pedaço do mundo em todo brasileiro”, afirmou, reforçando que o país busca dar boas condições de vida aos refugiados.

Temer também criticou o protecionismo e isolamento adotado por alguns países. “Com abertura e integração nos cercamos de um futuro melhor para todos. O isolamento pode dar uma falsa sensação de segurança. O protecionismo pode até soar sedutor”, disse. O presidente falou que “na abertura do povo e não na introspecção que construiremos uma prosperidade compartilhada”.

O presidente também citou temas como a proteção do meio ambiente brasileiro, tráfico de drogas e pessoas, combate aos crimes nas fronteiras e cooperação com países vizinhos. Ao final do discurso, o presidente afirmou que deixa um “país melhor” para o sucessor. “O país que entregarei a quem o povo brasileiro venha a eleger, é melhor do que o que eu recebi”, disse.

Temer discursou depois do secretário-geral da ONU, António Guterres, e da presidente da Assembleia, María Fernanda Espinosa, que inaugurou o evento desta terça.

Viagem para os Estados Unidos

Líderes globais se encontraram durante o evento para debater sobre as dificuldades e estratégias para desenvolvimento dos direitos humanos e todos assunto que afetem os habitantes do planeta, como estabelecimento da paz, igualdade de gênero e proteção do meio ambiente.

Dos 193 países membros, cada um deles possui um voto para os assuntos da pauta. Neste ano, o tema da Assembleia é “liderança global e responsabilidade compartilhada”. O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), também estarão fora do País no período, sem agendas oficiais. Durante estas ausências, o presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Dias Toffoli assume a Presidência da República.

Redação PB Debate com R7

Veja também: Aplicativo registra mais de 400 denúncias em apenas um mês na Paraíba