CONQUISTA: Joyce Ribeiro é a 1ª mulher negra a mediar debate eleitoral

debate aparecida joyce ribeiroJoyce Ribeiro é a primeira mulher negra a mediar debate com presidenciáveis: “Uma conquista”
(Imagem: Divulgação/TV Aparecida)

Talvez um detalhe importante tenha passado despercebido aos olhos de boa parte dos telespectadores que acompanharam o encontro promovido pela TV Aparecida, nesta quinta-feira (21): Joyce Ribeiro foi a primeira mulher negra a mediar um debate com candidatos à presidência da República na TV brasileira.

A jornalista concedeu entrevista por telefone e analisou a situação e comemorou o fato inédito. “Isso me deixou muito feliz e sei bem o que isso representa. A gente vem de uma caminhada de muita luta, muitas tentativas, muitos ‘não’, para que eu pudesse chegar a este momento e comemorar essa conquista”, declarou ela.

“O bom seria que isso não fosse mais uma exceção, mas ainda é”, lamenta. “A possibilidade e a oportunidade ainda não são divididas de maneira igual entre brancos e negros. Ainda estamos na batalha por esse lugarzinho”, completa.

“Eu recebi muitas mensagens nas minhas redes sociais dizendo ‘ah, mas poderia ter sido uma mulher branca, verde, amarela, vocês estão maximizando algo que já não tem mais espaço’, mas tem, sim. Só a gente que está na batalha há tantos anos sabe valorizar cada conquista”, conclui.

imagem25-09-2018-23-09-30Joyce Ribeiro é a primeira mulher negra a mediar debate com presidenciáveis na TV brasileira – (Imagem: Reprodução/Instagram/joyceribeirooficial)

Joyce Ribeiro é jornalista da TV Cultura, mas foi cedida para o debate realizado na TV Aparecida em parceria com a CNBB, nesta quinta.

Iniciou os primeiros passos de sua carreira pela Boa Vontade TV, da LBV, em 1998, e depois na RIT, já como apresentadora de telejornal. Entre 2002 e 2005, trabalhou na Record e logo em seguida se transferiu para o SBT.

Sobre a presença de negros na televisão, a apresentadora analisa. “A gente tem conquistado [espaço], sim, mas não estamos nem perto do ideal. Acredito que esse é um momento de observar, de perceber que falta muito ainda. A TV precisa representar a sociedade brasileira, que é mista, adversa. Não somos uma sociedade 100% branca ou 100% negra. A TV ainda não representa a nossa sociedade”, avalia.

Veja também: Percentual de candidatos negros cresce, mas segue abaixo da proporção da população

Denúncia contra Bolsonaro por racismo é liberada para inclusão na pauta do STF

Organizadora do grupo de Facebook Mulheres Unidas Contra Bolsonaro foi violentamente agredida

Da Redação Paraíba Debate com Gilvan Marques/UOL SP