Cássio, depois de o SUPREMO tribunal de justiça negar o arquivamento de investigação: “não há movimento atípico em minhas contas”

Entrevistas DiversasFoto: Reprodução

Ontem, quinta-feira (08), o senador Cássio Cunha Lima (PSDB), apelou para a “velocidade” na conclusão do inquérito, que é direcionado a alegados crimes fiscais. A investigação foi aberta há oito anos e até agora não foi concluída. “Não parece razoável para uma pesquisa que dura por tanto tempo”, lamentou.

As declarações de Cássio deu após os ministros da Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal rejeitando um recurso da defesa do senador com a apresentação da pesquisa e envio de registros para o tribunal de primeira instância.

A defesa de Cássio falta de provas contra o paraíba, sob investigação por supostos crimes fiscais, quando exerceu o cargo de governador da Paraíba em 2009.

“Na verdade, eu fiz uma reclamação de uma decisão da ministra Rosa Weber, que decidiu transferir o inquérito para o primeiro grau. Minha reclamação foi para o pedido de arquivamento por uma razão simples, o inquérito foi aberto por oito anos e nunca provaram nada contra mim! Até quando?”, questionada.

Cássio diria que, em oito anos de investigação, nunca foi ouvido no inquérito. “São oito anos de pesquisa. Nunca foi ouvida no inquérito, eu sei da acusação, porque se ele fala em uma suposta movimentação atípica, que teriam sido identificadas em minhas contas. Eu garanto que não há nenhum movimento atípico na minha contas. Não há nenhuma chance de movimento atípico na minha conta bancária. Oito anos de inquérito, não me parece nem um pouco razoável”, disse ele.

Veja também:

  • Cartaxo desconversa sobre a suposta participação de Manoel Júnior, o vice-prefeito de JP, o esquema de corrupção no Governo Dilma
  • MPPB denuncia o prefeito, o conselheiro e administrador para o fornecimento de veículos automóveis privados com fundos públicos