Aluno que chamou estudante de escravo é indiciado

Racismo

estudante da FGV (Fundação Getúlio Vargas) de São Paulo que chamou um aluno de escravo foi indiciado por racismo pela Polícia Civil.O crime aconteceu no início do mês de março, quando o agressor postou uma foto da vítima em um grupo de WhatsApp com a seguinte frase: “Achei esse escravo aqui no fumódromo! Quem for o dono avisa!”. O ofensor foi afastado da universidade por três meses.

João Gilberto Lima publicou em sua rede social que foi chamado na Coordenação de Administração Pública, na terça-feira (06), porque uma foto sua tinha sido usada “de forma indevida e preconceituosa”.

O estudante escreveu que o ofensor “optou pela atitude covarde de tirar uma foto e jogar no grupo dos amiguinhos”. O texto continua. “Saiba que muito antes de você pensar em prestar FGV eu já caminhava por esses corredores. Se você me conhecesse, não teria se atrevido”. Lima é categórico: “o que você fez, além de imoral, é crime!”

De acordo com a vítima, as providências legais já foram tomadas. “Não descansarei até você ser expulso dessa faculdade. Pessoas como você não devem e nem podem ter um diploma da FGV”. Lima finaliza dizendo que a mensagem é curta e direta, no entanto, “serve para qualquer outro racista da fundação. Não passará”.

Por meio de nota, a FGV informou que o comentário ofensivo foi feito em um grupo privado sem qualquer participação da instituição. Conforme o texto, o aluno foi suspenso de suas atividades curriculares por três meses, “estando impedido de frequentar a escola, sem ressalva da adoção de medidas complementares, a partir da apuração dos fatos pelas autoridades competentes”.

O agressor, segundo a vítima, é estudante de Administração de Empresas da instituição. O caso foi registrado no 4º DP (Consolação).

Da Redação Paraíba Debate com Stéphanie Nascimento/Agência Record e Plínio Aguiar/R7