Não haverá conteúdo na E3 2021 que seja pago

0
117

A E3 responde agora a relatórios que indicam que partes do show poderão estar por trás de um sistema ´Paywall´, sendo que a Entertainment Software Association (ESA) parecia ter-se virado para os planos de colocar alguns elementos do seu programa digital E3 2021 atrás de um paywall.

Várias fontes disseram à VGC este mês que o organizador do evento tinha apresentado planos para cobrar uma taxa por alguns dos conteúdos planeados para 2021, tais como demonstrações de jogos a pedido ou um pacote ‘premium’ com acesso extra. Uma fonte sugeriu que o pacote premium tinha sido lançado aos editores por 35 dólares (cerca de 29,8 €).

No entanto, num comunicado emitido após a publicação da história, a ESA forneceu comentários adicionais negando que cobrasse pelo conteúdo da E3. “Posso confirmar, em nome da ESA, que não haverá elementos na E3 2021 que estarão por detrás de um passe pago ou pay-for”, disse um porta-voz à VGC. A Paywall, é um método de restringir o acesso a um determinado conteúdo através da exigência de pagamento de uma subscrição.

Em meados de 2010, alguns jornais começaram a implementação de formas de acesso pago nos seus sites como forma de aumentar a receita, depois de anos de declínio de leitores da versão impressa e de receita publicitária. E agora a Entertainment Software Association, a organização por trás da E3, pode ter alguns dos conteúdos da E3 digital do evento deste ano bloqueados atrás de uma ´Paywall´.

Um relatório já desta semana das conversas da VGC com várias fontes editoriais afirmou que a ESA planeava colocar pelo menos algumas partes da E3 de 2021 atrás de um paywall, com um preço de pacote “premium” sugerido de $35 (cerca de 29,8 €). O relatório indica que estes elementos estariam junto das linhas de demos de jogos ou algum outro tipo de “acesso extra”, e não parece sugerir que as próprias conferências seriam pagas.

No entanto, o relatório da VGC indicou que estes planos podem ser ténues, uma vez que pelo menos uma grande empresa de jogos tinha expressado críticas a este plano, e a ESA parecia disposta a recuar. Os seus relatórios anteriores descreveram uma “experiência” de uma semana em meados de junho, com três dias de transmissão de conteúdo, bem como conteúdo em curso após via de uma aplicação oficial.

As ideias alegadamente lançadas incluíram keynotes de grandes empresas, um prémio show, uma noite de pré-estreia, media e agendamento de reuniões de negócios através de uma app, demos, “cabines virtuais” e lojas de merchandise.

E3’s 2021 digital show is a free event for all attendees. We’re excited to fill you in on all the real news for the event very soon. https://t.co/HzTzaQEosx

— E3 (@E3) April 1, 2021

Na sequência deste relatório, a conta oficial do Twitter da E3 publicou um comunicado diretamente em resposta a este relatório que dizia: “O show-digital da E3 em 2021 é um evento gratuito para todos os participantes. Estamos entusiasmados por informá-lo sobre todas as novidades reais para o evento muito em breve.”

E uma outra declaração mais específica dada à VGC da ESA disse que “não haverá elementos na E3 2021 que estarão por trás de um pagamento ou paywall. A ESA já tinha confirmado que a E3 deste ano seria um evento digital depois de a E3 2020 ter sido cancelada devido ao COVID-19. Em vez disto, a maioria dos principais editores e detentores de plataformas optou por realizar os seus próprios eventos individuais espalhados ao longo dos meses de verão.

A ESA já enfrentava pressão para reinventar a E3, com várias grandes editoras, incluindo a EA, a Sony e a Activision, tendo abandonado o evento nos últimos anos – e isso foi antes do cancelamento de 2020, após o qual muitas empresas como a EA e a Ubisoft tiveram sucesso a executar os seus próprios eventos digitais. E juntar-se à agenda da E3 de uma forma significativa ainda requer somas de seis dígitos, embora a ESA tenha reduzido os seus preços de pedido num terço desde o início do ano (e o tempo de transmissão oferecido reflete isso). Várias fontes de publicação disseram à VGC que esperavam fornecer alguns conteúdos para o evento digital E3, como uma demonstração de apoio à ESA, mas que acabariam por reservar as suas principais revelações para eventos digitais separados e independentes como os realizados no ano passado. A ESA – que é financiada por e serve o interesse das editoras de jogos – provavelmente argumentaria que um evento de jogos digitais unificado iria agarrar a atenção do mundo mais eficazmente do que uma série de pequenos espetáculos.

Fonte: VideoGamesChronicle

Quer saber outras novidades? Veja em baixo as nossas Sugestões

Quer saber outras novidades? Veja em baixo as nossas Sugestões