Mulher cearense vence torneio de fisiculturismo nos EUA

Priscilla Lynd durante apresentação em torneio realizado em Nova York (EUA) — Foto: Arquivo pessoal

A fisioterapeuta e fisiculturista cearense Priscilla Lynd, de 36 anos, se tornou campeã overall nos Estados Unidos, categoria mais famosa do fisiculturismo (ou bodybuilding, em inglês). A atleta profissional é natural de Fortaleza/CE e sempre gostou de esportes, mas somente há cerca de um ano decidiu começar a competir nas categorias amadoras e desde então não parou mais.

Mãe de uma menina de 3 anos, fruto do casamento com um americano, a brasileira falou sobre a rotina de treinos, a dieta, os desafios e a preparação para os próximos torneios.

“Aos 15 anos me mudei para os Estados Unidos e já na escola eu jogava vôlei, futebol, praticava corrida. Aos 18 anos eu entrei para a academia e também fiz crossfit por cerca de nove anos, fiquei grávida, parei por um tempo, até que perto de completar 35 anos decidi pelo fisiculturismo”, relata.

Priscilla conta que as primeiras competições foram difíceis e os resultados não foram os que ela esperava, mas serviram de motivação para continuar lutando até conquistar o direito de competir nos torneios nacionais dos Estados Unidos.

“Em novembro de 2020, após um ano de cancelamentos por causa da pandemia, resolvi competir pela primeira vez na categoria Bikini, mas não me qualifiquei para subir de categoria, ficando em 14º lugar, e aumentei a intensidade da preparação. Por orientação dos próprios juízes passei a competir na categoria Wellness e já em abril de 2021 consegui melhorar meu desempenho ficando entre as cinco primeiras”, afirma.

A categoria Bikini é a divisão feminina mais popular atualmente, segundo Priscilla. As competidoras usam maiô de duas peças, saltos altos e joias cintilantes, e são julgadas pela aparência física geral, incluindo pele e apresentação. A atitude no palco conta muito também.

Já a categoria Wellness, que recentemente chegou aos EUA, é mais comum no Brasil. Na modalidade são avaliadas as atletas que têm coxas e glúteos volumosos, conservam o corpo feminino e exibem pouco percentual de gordura.

Em junho deste ano, a atleta participou do NPC Juniors Nacional e conseguiu o Pro Card ao ficar em terceiro lugar. O Pro Card é um documento que permite ao atleta competir em torneios profissionais da modalidade. Foi a partir dessa conquista que a fisiculturista conseguiu a mais recente e importante conquista.

“Acabei de ganhar o Master and Open Overall no NPC Universe em Nova York, onde conquistei meu IFBB Pro Card e agora posso competir em ligas profissionais do mundo. Em agosto estarei em Tampa, na Flórida, em um torneio nacional que pode me qualificar para o Olimpya, torneio mais importante do ano, que é como uma final de copa do mundo do fisiculturismo a ser realizado em dezembro em Las Vegas”, comemora.