MP denuncia uma jovem que estava com o jogador Daniel, por fraudar as provas do crime

Evellyn Perusso, 19 anos de idade, foi denunciado pelo Ministério Público do Paraná (MP-PR), em caso de morte do jogador de futebol Daniel Correa. O seu nome foi mencionado na lista de pessoas indiciadas após o fim da investigação policial. No entanto, o promotor do evento, John Milton Salles, decidiu incluir na denúncia. Evellyn vai responder, fazendo acusações caluniosas, fraude processual e corrupção de, no mínimo.

Resultado de imagem para jovem que ficou com jogador Daniel

De acordo com o procurador, durante o testemunho de que o orifício sobre o caso, o jovem mostrou Eduardo Purkote, como uma das pessoas que haviam atacado Daniel na casa da família Brittes e que teria introduzido o Edison Brittes a faca que ele usou para matar um jogador. Purkote chegou a ser preso temporariamente, mas foi liberado após a investigação concluiu que ele não tem qualquer envolvimento em qualquer período do delito.

Para promotor Evellyn mentiu em depoimento e limpou provas do crime, defesa diz que jovem foi coagida

— Ela fraudulentamente atribuída ao comportamento criminal para o jovem. O que eu tenho é um fato concreto, permite saber na hora o que teria motivado essa atitude”, disse o campeão.

A promotoria também destacou que Evellyn seria uma das pessoas que ajudou a limpar o sangue do jogador e de outros vestígios dos crimes que estavam na casa, o que é considerado fraude nas transações. Ele vai ser denunciado por corrupção de menores, porque uma das pessoas que estavam na casa é pequena e teria sido forçada a limpar as provas do crime.

O advogado de defesa, Luís Roberto Zagonel, disse que recebeu com “extrema surpresa” da denúncia contra Evellyn. Para o criminalista, o cliente é forçado por Edison Brittes para limpar as provas do crime na casa da família e roubar evidência é consistente com tudo o que você teria visto em casa”.

— Evellyn ajudou em grande parte nas investigações. É importante notar que ela estava tendo a figura de Eduardo Purkote para o crime. Ela foi a terceira pessoa para falar sobre a sua participação no crime, de acordo com Edison Brittes, e ainda outra testemunha. Purkote, incluindo a que é exibida na reunião com a família Brittes em um shopping center logo após a morte do jogador.

Em relação ao crime de corrupção de menores, Zagonel nota que, além Evellyn, o menor, e estava na casa foi forçado por Edison Brittes para limpar vestígios de sangue do jogador contra a casa.

— Vamos apenas esperar por ele para ser citado para apresentar defesa pessoal e vamos apresentar todas as evidências que apontavam para a inocência dela — disse o advogado.

Um amigo Allana Brittes, filha do assassino, admito o jogador, Evellyn disse que foi ela que introduziu a Daniel. Os dois se beijaram durante a festa de aniversário de Allana em um clube noturno em Curitiba, antes de o grupo continuou a celebração, em São José dos Pinhais.

Daniel Corrêa, de 24 anos, foi encontrado morto em uma área rural do Paraná, no final de outubro. Daniel trabalhou para o big lottery fund clubes de futebol do brasil, como o Coritiba, Botafogo e Ponte Preta. O meia tem contrato até dezembro com o São Paulo, que havia emprestado o jogador para o São Bento.

Fonte: extra.globo.com

VEJA TAMBÉM: