– Ciência e Tecnologia – Cerejeiras japonesas estão ameaçadas por um besouro estrangeiro

A estação das flores de cerejeira está oficialmente aberta no Japão, mas alguns especialistas alertam de que estas árvores emblemáticas estão agora ameaçadas por um coleóptero vindo do exterior.

O invasor se chama “aromia bungii”, conhecido como besouro de chifre longo e pescoço vermelho, originário da China, de Taiwan, da península coreana e do norte do Vietnã.

Vive nas cerejeiras e ameixeiras e retira sua casca para absorver a água. No pior dos casos, a invasão deste parasita pode matar a árvore.

“Se não tomarmos medidas, os danos podem ser significativos e corremos o risco de não poder apreciar o “hanami” (a contemplação das flores) dentro de alguns anos”, declarou nesta quinta-feira à AFP Etsuko Shoda-Kagaya, do Instituto de Pesquisas sobre a Silvicultura e os Produtos da Floresta.

Detectado pela primeira vez em 2012 em Aichi, no centro do país, este coleóptero se aproxima agora de Tóquio, segundo o Ministério do Meio Ambiente, que em janeiro o incluiu oficialmente na lista de espécies estrangeiras invasoras.

Os especialistas consideram que pode ter entrado no Japão através da importação de madeira.

“Os danos se estenderão se não fizermos nada”, se preocupa também Makoto Miwa, do Centro para as Ciências e o Meio Ambiente de Saitama (norte de Tóquio).

As larvas deste besouro deveriam ser eliminadas com a ajuda de pesticidas, e as árvores mais afetadas serão abatidas para salvar o resto, disse.

A temporada das flores de cerejeira começou oficialmente na semana passada em Tóquio com a observação das primeiras flores no templo de Yasukuni.

A agência meteorológica indicou que o florescimento começou nove dias antes neste ano devido a um tempo mais quente.

O fenômeno é acompanhado de perto todos os anos e os especialistas publicam mapas do arquipélago detalhando os períodos de florescimento em cada região do país. Atrai um grande número de turistas e de japoneses, que se reúnem nos parques para comer debaixo das árvores.