Ministro do Supremo, Marco Aurélio relata “perplexidade” com vídeo da reunião, e defende demissão de Weintraub

0
83
Ministro do Supremo, Marco Aurélio relata “perplexidade” com vídeo da reunião, e defende demissão de Weintraub
Ministro do Supremo, Marco Aurélio relata “perplexidade” com vídeo da reunião, e defende demissão de Weintraub

Nesta sábado (23), o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Marco Aurélio de Mello, em uma entrevista concedida ao jornal Estadão afirmou que ficou “perplexo” com o que viu no vídeo da reunião ministerial do dia 22 de abril, autorizada para ser publicada na última sexta-feira (22/05) pelo seu colega de Corte, Celso de Mello.

Ele externou indignação principalmente pelas declarações proferidas pelo ministro da Educação, Abraham Weintraub, que afirmou que referiu-se aos membros da Suprema Corte como “vagabundos”, e também que “eles deveriam ser presos”. Indagado sobre o ocorrido, Aurélio afirmou que as afirmações não são passíveis de uma ação judicial, no entanto, disse que se estivesse no lugar do presidente Jair Bolsonaro, optaria pela demissão do ministro.

“Eu só posso atribuir a um arroubo de retórica, né? E cabia ao dirigente da reunião exercer o poder de polícia, evidentemente cortando a palavra dele e dizendo que a palavra em si era imprópria”, disse. “Se estivesse ocupando a cadeira de presidente da República, evidentemente não teria o estilo do presidente, eu pediria a ele pra pegar o boné e ir pra casa. Eu acho que, principalmente, como ministro da Educação, ele ficou numa situação muito ruim. Que educação é essa?” declarou Marco Aurélio

A reunião

Liberado para todos por Celso de Mello, o encontro entre os integrantes da alta cúpula do governo federal que aconteceu no dia 22 de abril tem dado o que falar nas redes sociais e nos jornais. O vídeo faz parte das acusações do ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, que alega que o Chefe de Estado tentou interferir politicamente na Polícia Federal (PF). Após dois dias da polêmica reunião, o ex-magistrado pediu demissão de sua função à frente da pasta ministerial.

Com a informação: G1

Deixe uma resposta