Citroën Aircross tem espaço de SUV a menos de R$ 30.000

0
96
Com 4,1 metros, o Aircross é menor que o Renegade, porém é mais espaçoso GPS Automotivo

Irmão do extinto C3 Picasso, o Citroën Aircross foi um dos lançamentos mais aguardados na linha 2011 da Citroën.

A receita do estepe na traseira, pneus de uso misto e decoração aventureira ainda seduz quem procura a praticidade de uma minivan e o apelo da maior altura do solo.

A versão mais valorizada de 2011 a 2015 é a topo de linha, Exclusive, que já trazia de série duplo airbag e freios ABS com EBD, piloto automático, três encostos de cabeça no banco traseiro, volante e bancos revestidos de couro, ar digital e som de seis alto-falantes.

Pesando cerca de 1.400 kg, o Aircross usa o velho e bom motor 1.6 16V de 113/110 cv. O câmbio manual de cinco marchas é o mesmo da linha C3, mas teve a relação final encurtada para melhorar sua agilidade, deixando a desejar só na estrada.

O câmbio automático passou a ser oferecido em 2011. Mas não se anime muito: a transmissão AT8 é quase a mesma AL4, limitada pelas quatro marchas e notória pela quantidade de problemas em carros com alta quilometragem.

A linha 2013 marcou o fim da versão básica, GL, e a adoção de airbags e ABS e EBD na versão GLX.

O motor foi substituído pelo 1.6 VTI 120 Flex (122/115 cv) com sistema FlexStart, sem o tanquinho de gasolina. O comando de válvulas variável favoreceu tanto desempenho quanto consumo.

Destaque para as séries especiais, Atacama (2013) e Salomon (2014). A primeira traz aplique no para-choque dianteiro, barras transversais incorporadas às longitudinais do teto e estepe com capa personalizada.

Aicross Atacama

A segunda tem rodas aro 16 diamantadas, sistema de navegação MyWay e capa do estepe de couro sintético.

O estepe externo foi para o porta-malas na linha 2016 das versões Start e LiveGPS Automotivo

Mais discreto, o Aircross 2015 recebeu faróis com máscara negra e sensor de estacionamento de série desde a básica, Tendance (que substituiu a GLX).

O modelo 2016 ganhou frente reestilizada com luzes diurnas de led e perdeu o estepe externo nas versões de entrada, Start e Live, ambas com o novo motor 1.5 8V (93/89 cv). A direção passou a ser elétrica.

A versão de maior sucesso do Aircross 2016 é a topo de linha, Shine, com câmbio automático, ar digital, couro em volante e bancos, câmera de ré, piloto automático, sensores de faróis e chuva e o indispensável banco traseiro com três apoios de cabeça. Desde então, a melhor novidade do Aircross foi o câmbio automático de seis marchas no modelo 2018.

Veterano, o Aircross está em final de carreira, mas ainda é uma boa alternativa para quem precisa de um automóvel espaçoso, adequado a ambientes urbanos e com mecânica simples e conhecida pela maioria das oficinas.

Não apresenta problemas crônicos e sua boa aceitação no mercado faz dele um dos modelos mais consagrados da Citroën.

Onde o bicho pega

Câmbio automático: A caixa AT8 utilizada até 2017 é notória pela fragilidade: avisos de erro no painel indicam boa parte dos problemas, evidenciados por trancos e retenção indevida de marchas. Em casos extremos, passa a operar travada em terceira marcha (modo de segurança). O fluido deve ser trocado a cada 80.000 km.

Freios: Verifique o estado geral de discos e pastilhas: carros com câmbio automático são conhecidos pelo desgaste elevado desses componentes. Mas são itens encontrados a preços acessíveis tanto em autorizadas quanto em lojas de autopeças.

Suspensão: É simples e até robusta, com exceção das bieletas: subdimensionadas, costumam apresentar folgas e barulhos em pouco tempo. Também vale a pena observar a integridade da suspensão dianteira: as bandejas são do tipo rebitado e não são vendidas separadamente.

Coxins: Excesso de vibração em marcha lenta com o carro parado e câmbio engatado pode ser causado pelo rompimento dos coxins, que funcionam como ponto de apoio para motor e câmbio. Também são peças baratas e de fácil substituição.

Recalls: Foram três, referentes a veículos fabricados de fevereiro de 2012 a dezembro de 2013. Envolvem flexíveis de freio, braços das suspensões dianteira e traseira e buchas dos braços das suspensões.

Preços médio dos usados* (Tabela KBB Brasil)

Modelo 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018
GLX 1.6 16V MANUAL 33.685 34.440 37.722
GLX 1.6 16V AUTOMÁTICO 34.480 35.276 38.008
START 1.5 8V MANUAL 43.038 45.297 47.357
LIVE 1.6 16V AUTOMÁTICO 49.941 50.470 56.884
FEEL 1.6 16V MANUAL 49.871 51.468
FEEL 1.6 16V AUTOMÁTICO 53.518 56.021 58.903
EXCLUSIVE 1.6 16V MANUAL 34.480 36.529 39.820 42.380
EXCLUSIVE 1.6 16V AUTOMÁTICO 35.362 37.196 41.317 43.379
SHINE 1.6 16V AUTOMÁTICO 54.629 58.919 64.835

*Valores em reais calculados pela KBB Brasil para a compra pelo particular

Preços das peças

Peças Original Paralelo
Para-choque dianteiro R$ 1.297 R$ 500
Farol completo (cada um) R$ 1.570 R$ 930
Disco de freio (par dianteiro) R$ 568 R$ 450
Pastilhas de freio (par dianteiro) R$ 417 R$ 310
Amortecedores (os quadros) R$ 1.476 R$ 1.390