Governo Federal e Microsoft anunciam cursos gratuitos de tecnologia; Inscrições abertas

0
125

A plataforma do governo federal chamada Escola do Trabalhador oferece cursos gratuitos para quem gosta de tecnologia. Em parceria com a Microsoft, o projeto busca oferecer capacitação em habilidades digitais para mais de 5 milhões de jovens e adultos, tendo como foco o aumento da empregabilidade.

Em sua versão 4.0, o site da Escola do Trabalhador já dispõe dos seis primeiros cursos online, com conteúdos nas trilhas de letramento digital, trabalho com computadores, acesso à informações na rede, gerenciamento de conteúdos digitais, dentre outros.

Como funciona a plataforma de ensino remoto?

Implementada em parceria com a Softex, a plataforma de ensino remoto oferece outros 41 cursos em mais de 10 trilhas no decorrer dos meses de abril, maio e junho. Vale destacar que todos os módulos são online, gratuitos e oferecem certificado.

O público alvo da medida são trabalhadores com idade acima de 18 anos, que buscam qualificação profissional, além de oportunidade de ingresso no mercado de trabalho. As modalidades de ensino são ideais para quem se reinventar ao passo que se prepara para as demandas profissionais.

De acordo com a Secretaria Especial de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia, o intuito é atingir cerca de 5,5 milhões de pessoas até fevereiro de 2023.

“Promover qualificação profissional e melhorar a descoberta de oportunidades de emprego na economia digital são os principais desafios que pretendemos endereçar com essa parceria. Acredito que iniciativas como essa são fundamentais para apoiar a retomada econômica do país e o crescimento sustentável do Brasil”, explanou Tânia Cosentino, presidente da Microsoft Brasil.

Como se inscrever?

Quem deseja participar e se inscrever em um dos cursos deve acessar o site da Escola do Trabalho 4.0 (www.empregamais.economia.gov.br/escoladotrabalhador40/). Por lá, é possível acompanhar todos as novidades relacionadas às aulas, bem como os lançamentos dos próximos módulos.

Leia ainda: WhatsApp testa recurso para acelerar mensagens de voz