Governo da Flórida assumirá despesas com funerais das vítimas do massacre

Governo da Flórida assumirá despesas com funerais das vítimas do massacre

Pelo menos 17 pessoas morreram ontem em tiroteio ocorrido numa escola. Atirador é um ex-aluno.

O governador da Flórida, Rick Scott, e a procuradora-geral do
estado, Pam Bondi, afirmaram que o governo estadual cobrirá todas as
despesas funerárias e tratamento para os sobreviventes. “Isto é puro e absolutamente diabólico”. A informação e da Agência EFE.

O
presidente Donald Trump lamentou o “terrível” tiroteio e disse que
“nenhuma criança, professor e mais ninguém deveria jamais se sentir
inseguro em uma escola americana”.  Pelo menos 17 pessoas
morreram ontem (14) , na Flórida, em tiroteio ocorrido numa escola nos
Estados Unidos, o 18º somente neste ano em colégios do país, em um
massacre atribuído ao ex-aluno Nikolas Cruz. 

Scott
Israel, xerife do condado de Broward, afirmou que no incidente
“catastrófico” na escola de ensino médio Marjory Stoneman Douglas, na
cidade de Parkland, morreram 17 pessoas após o ataque de Cruz, de 19
anos, que realizou o massacre armado com um rifle semiautomático e com
vários carregadores em seu poder. 

O jovem, explicou
Israel, foi detido sem apresentar resistência quando foi confrontado
pelos agentes nas cercanias do centro, localizado em uma região com
grande presença de moradores latino-americanos. 

O
xerife afirmou que o suspeito disparou justamente quando os estudantes
deixavam o colégio, onde as equipes de policiais de elite da SWAT ainda
trabalham para assegurar a segurança da área, depois que os cerca de 3
mil alunos da escola fossem retirados do local. 

Ele
afirmou que os investigadores estão analisando as páginas na internet
que o jovem visitava, bem como suas redes sociais e o que encontraram
até o momento é “muito assustador”. 

O chefe da
polícia disse aos jornalistas que pelo menos 12 das vítimas foram
assassinadas dentro da escola, enquanto outros três morreram no exterior
e outras duas faleceram no hospital. 

Durante
entrevista coletiva, o governador da Flórida, Rick Scott, e a
procuradora-geral do estado, Pam Bondi, afirmaram que o governo estadual
cobrirá todas as despesas funerárias e tratamento para os
sobreviventes. 

“Isto é puro e absolutamente
diabólico”, disse o governador, que evitou as perguntas dos jornalistas
sobre uma lei mais rigorosa em relação as armas. 

Nessa
mesma entrevista coletiva, Israel revelou que 12 dos mortos já foram
identificados e que estão notificando seus familiares.   

O
xerife disse que no momento do incidente nem todas as vítimas
carregavam suas identidades ou telefones celulares e acrescentou que até
que todos os parentes não sejam informados, seus nomes não serão
divulgados.

Fontes
do Hospital Broward Health North disseram que três dos feridos estão
internados em estado crítico, enquanto outros seguem estáveis e estão
sendo operados. 

Depois de ser preso, Nikolas Cruz
foi transportado para o mesmo hospital e em seguida ao escritório do
xerife de Broward para ser interrogado. 

Vídeos
publicados nas redes sociais mostram estudantes da escola se protegendo,
enquanto vários disparos são ouvidos, com que se presume ser de uma
arma semiautomática e veículos de imprensa locais apontam que poderia se
tratar de um rifle AR-15. 

Este tiroteio aconteceu
no Dia de São Valentim, que tradicionalmente é celebrado nas escolas dos
EUA como uma data da amizade entre colegas de classes e professores. 

O jornal “iami Herald entrevistou
Jim Gard, um professor de matemática da escola, que revelou que os
docentes e pessoal administrativo foram advertidos no ano passado que o
ex-estudante constituía uma ameaça e não deveria ser autorizado a entrar
na instituição com uma mochila.

“Houve problemas
com ele no ano passado ameaçando estudantes, e acho que pediram para que
abandonasse o campus”, disse Gard, versão confirmada pelo xerife,
afirmando que o jovem foi expulso por razões disciplinares. 

Colegas
do suspeito declararam à mídia local que Cruz “assustava às vezes”,
pois em algumas ocasiões levava várias armas mostrava aos outros
alunos. 

No entanto, Robert Runcie, superintendente
do sistema escolar de Broward, disse à imprensa desconhecer que houvesse
relatos sobre comportamento alarmante do jovem, que pela sua idade
podia comprar armas de fogo legalmente na Flórida. 

Runcie
acrescentou que o colégio permanecerá fechado o restante da semana e
será oferecido orientação aos familiares das vítimas e sobreviventes. 

De
acordo com a apuração do Everytown for Gun Safety, um grupo que defende
um maior controle na venda de armas, neste ano foram registrados 18
tiroteios em centros educativos dos EUA, em dez dos quais tiveram
registros de mortos ou feridos. Desde 2013, o número subiu para 291
episódios deste tipo em centros de ensino. 

Este
tipo de fato, como o ocorrido na escola Sandy Hook, em Newtown, no
estado de Connecticut, onde morreram 20 crianças e seis adultos em
dezembro de 2012, gerou uma onda de pedidos para que se aprovem leis
para conseguir um maior controle na venda de armas. 

Mas
o Congresso, controlado pelos republicanos, acabou bloqueando uma
proposta para instaurar um sistema de verificação de antecedentes e
impedir que as armas chegassem aos criminosos ou doentes mentais.