Galxia parece estar morrendo aps colidir com outra

0
62

Planto

Com informações do ESO – 11/01/2021

A grande novidade desta observao esta “cauda de mar”, uma corrente alongada de estrelas e gs.[Imagem: ESO/M. Kornmesser]

Morte de uma galxia

As galxias comeam a “morrer” quando param de formar estrelas, mas at agora os astrnomos nunca tinham observado claramente o incio desse processo.

Com o auxlio do radiotelescpio ALMA, agora foi captada uma galxia que j ejetou quase metade de seu gs de formao estelar. Essa ejeo est acontecendo a uma taxa surpreendente, equivalente a 10.000 sis por ano, o que significa que a galxia est perdendo muito rapidamente o “combustvel” necessrio formao de novas estrelas.

A equipe acredita que este evento foi desencadeado pela coliso com outra galxia, o que poder levar os astrnomos a repensar o modo como as galxias param de formar novas estrelas.

“Esta a primeira vez que observamos uma galxia com formao estelar massiva tpica no Universo distante prestes a ‘morrer’ devido a uma ejeo massiva de gs frio,” disse Annagrazia Puglisi, da Universidade de Durham, no Reino Unido.

A galxia ID2299 est to distante que a sua luz demora 9 bilhes de anos para chegar at ns – o que vemos agora aconteceu quando o Universo tinha apenas 4,5 bilhes de anos.

Cauda de mar

A ejeo de gs est acontecendo a uma taxa equivalente a 10.000 sis por ano, removendo incrveis 46% do gs frio total existente na ID2299. Como a galxia tambm est formando estrelas muito rapidamente, centenas de vezes mais rapidamente que a Via Lctea, o gs restante ser rapidamente consumido em apenas algumas dezenas de milhes de anos.

A perda espetacular de gs parece estar sendo causada uma coliso entre duas galxias, que eventualmente se fundiram para formar a ID2299. A pista que aponta para esse cenrio a associao do gs ejetado com uma “cauda de mar”.

As caudas de mar so correntes alongadas de estrelas e gs que se estendem para o espao interestelar e que so criadas quando duas galxias se fundem, mas que so normalmente muito tnues para poderem ser observadas em galxias distantes.

A maioria dos astrnomos acredita que os ventos causados pela formao estelar e a atividade de buracos negros nos centros de galxias massivas so responsveis por lanar para o espao material que, de outro modo, seria utilizado na formao estelar, terminando assim com a capacidade das galxias de formar novas estrelas. Contudo, estas novas observaes sugerem que as fuses galcticas podem tambm ser responsveis por ejetar para o espao este “combustvel” de formao estelar.

“O nosso estudo sugere que as ejees de gs podem ter origem em fuses e que ventos e caudas de mar podem parecer muito semelhantes,” explica Emanuele Daddi, coautora do trabalho. Por causa disso, algumas das equipes que anteriormente identificaram ventos lanados por galxias distantes podero de fato ter observado caudas de mar ejetando gs dessas galxias. “Este fato pode nos levar a rever o que sabemos sobre como ‘morrem’ as galxias distantes,” acrescenta Daddi.

Bibliografia:

Artigo: A titanic interstellar medium ejection from a massive starburst galaxy at redshift?1.4Autores: Annagrazia Puglisi, Emanuele Daddi, Marcella Brusa, Frederic Bournaud, Jeremy Fensch, Daizhong Liu, Ivan Delvecchio, Antonello Calabr, Chiara Circosta, Francesco Valentino, Michele Perna, Shuowen Jin, Andrea Enia, Chiara Mancini, Giulia RodighieroRevista: Nature AstronomyDOI: 10.1038/s41550-020-01268-x

Seguir Site Inovação Tecnológica no Google Notícias

Outras notcias sobre:

Mais tópicos