Fenômeno no cinema, Minha Mãe é uma Peça vai virar série na Globo

Paulo Gustavo é estrela de Minha Mãe é uma Peça. (Foto: Divulgação)
Paulo Gustavo é estrela de Minha Mãe é uma Peça. (Foto: Divulgação)

Um dos maiores sucessos de bilheteria da história do cinema nacional, a comédia Minha Mãe é uma Peça, que já foi adaptada de uma peça de teatro, ganhará agora uma versão para telas menores.

Segundo informações do site da jornalista Cristina Padiglione, Paulo Gustavo, que é o criador e estrela do longa, confirmou, durante a Comic Con Experience (CCXP), no último domingo (09), que o projeto vai virar série no Globoplay, plataforma de streaming da Globo. Nas redes sociais, o humorista revelou que a atração deve estrear em 2020.

+ Para elevar audiência, Globo escala o filme A Teoria de Tudo na Tela Quente e bomba na web

Vale lembrar que Minha Mãe é uma Peça já teve dois filmes. O primeiro, lançado em 2013, foi visto por mais de 4 milhões de telespectadores e arrecadou R$ 49,5 milhões, tendo um orçamento modesto, de apenas R$ 5,5 milhões. O segundo longa, que estreou em 2016, obteve um desempenho ainda mais impressionante: foi visto por 8 milhões de pessoas — o quarto mais assistido da história no Brasil — e teve uma receita de mais de R$ 124 milhões, a maior bilheteria de todos os tempos do cinema nacional.

SOLTOU O VERBO!

Recentemente, o ator, cantor e humorista Moacyr Franco não teve seu contrato renovado com o SBT, emissora onde passou a maior parte de sua carreira. Depois disso, fez alguns filmes e também está no elenco de Ilha de Ferro, série da Globo.

Em entrevista ao jornal Extra, o profissional revelou que a saída do SBT abalou sua vida financeiramente. “Demais! Foi terrível! Mas agora estou trabalhando muito mais com meus shows. Os teatros me descobriram“, contou o profissional.

Questionado sobre o cachê que recebe atualmente com esse tipo de trabalho, Moacyr foi bem enfático. “Uma porcaria! Por isso que eu tenho que trabalhar mais. No SBT, eu ganhava R$ 50 mil. Para receber o equivalente, faço no mínimo dez shows por mês”, disparou.

“Como não abro mão de músicos, passagens, refeições e hotel, em um evento que custa R$ 25 mil, me sobram R$ 6 mil. E seja o que Deus quiser. Recebo muito direito autoral também, isso me salva. Além de fazer umas propagandas”, prosseguiu.