Facebook está trabalhando para garantir aos usuários o poder de reivindicar a propriedade de imagens

0
71

Em uma atualização de sua plataforma de gerenciamento de direitos, O Facebook está começando a trabalhar com alguns parceiros para lhes dar o poder de reivindicar a propriedade das imagens e, em seguida, moderar onde essas imagens aparecem na plataforma do Facebook, incluindo no Instagram.

O objetivo é eventualmente disponibilizar esse recurso para todos, como já acontece com os direitos de música e vídeo. A empresa não deu um cronograma sobre quando espera abrir isso de forma mais ampla.

O Facebook não revelou quem são seus parceiros, mas isso poderia teoricamente significar que, se uma marca como a National Geographic carregasse suas fotos no Gerenciador de Direitos do Facebook, ela poderia monitorar onde elas aparecem, como nas páginas do Instagram de outras marcas.

A partir daí, a empresa pode optar por deixar as imagens no ar, emitir uma remoção, que remove totalmente a postagem infratora, ou usar um bloqueio territorial, o que significa que a postagem permanece ativa, mas não pode ser visualizada em territórios onde os direitos autorais da empresa se aplicam.

Facebook

Para reivindicar seus direitos autorais, o detentor dos direitos da imagem carrega um arquivo CSV no Gerenciador de Direitos do Facebook que contém todos os metadados da imagem.

Eles também especificarão onde os direitos autorais se aplicam e podem deixar certos territórios de fora. Depois que o gerenciador verifica se os metadados e a imagem correspondem, ele processa essa imagem e monitora onde ela aparece.

Se outra pessoa tentar reivindicar a propriedade da mesma imagem, as duas partes podem ir e voltar algumas vezes para disputar a reivindicação, e o Facebook acabará cedendo a quem fez o primeiro pedido. Se eles quiserem apelar dessa decisão, eles podem usar os formulários de relatório de IP do Facebook.

Esta atualização pode mudar a forma como o Instagram funciona agora, com contas muitas vezes compartilhando a mesma imagem e marcando apenas o suposto detentor dos direitos originais como crédito. Agora, esses detentores de direitos podem retirar o cargo sem demora.

No final das contas, os criadores podem acabar tendo que investir em sua própria fotografia ou criação de imagem para evitar que as postagens sejam removidas. Em última análise, isso pode ser o que o Instagram deseja: se tornar um lugar onde as imagens originais são compartilhadas e não regurgitadas. Isso será especialmente interessante de assistir com memes.

Parte desse processo de aprendizagem significa determinar quanta edição pode acontecer em uma imagem, como um meme, antes que ela se qualifique como uma “correspondência” com a imagem de um detentor de direitos. Os memes, é claro, são editados constantemente, então o Facebook precisa determinar se permitirá que as pessoas removam esses memes.

Fonte

Quer saber outras novidades? Veja em baixo as nossas Sugestões

Quer saber outras novidades? Veja em baixo as nossas Sugestões