Celeiro Espaço Criativo ajuda artesãos a divulgar e vender seus trabalhos pelas redes sociais

0
44

O Celeiro Espaço Criativo da Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP) está ajudando os artesãos na divulgação e venda de seus trabalhos nas redes sociais. Por meio do perfil do Instagram @celeiroespacocriativo, é possível ter acesso à produção artesanal desenvolvida. O perfil foi a alternativa encontrada para apoiar a venda dos artesãos, no período de pandemia da Covid-19.

A coordenadora do Celeiro Espaço Criativo, Larissa França, explicou que foi feito um levantamento de todos os artesãos que têm objetos e peças de artesanato no local, com a escrita de uma pequena biografia de cada um. Em seguida, as peças foram fotografadas por Dayse Euzébio, fotógrafa da Secretaria de Comunicação da PMJP. No perfil do Instagram, foi criada uma série chamada “Conheça a arte de”, com fotos das peças de cada artesão.

No Instagram, o público vai encontrar peças em madeiras, crôche, lã, tecido, pinturas em telas, objetos em palha, cerâmica, em bronze, pedras naturais, macramê, renda e uma sofisticada variedade de materiais produzidos por artesãos, artistas plásticos, escultores e pintores.

São peças únicas e exclusivas de Lili Brasileiro, Wandeco Cavalcanti, Rachel Gomes, Raísse Herculano, Fany Miranda, Margareth Aurélio, Rilzete Ribeiro, Ana X, Adevaldo Martins, Lúcia de Fátima, Selma Sanches, Osmar Gonçalves, Rosângela Rocha, Hêlo Neide e outros.

O artesão Sérgio Teófilo disse que a iniciativa da Prefeitura “é muito bacana, uma vez que nós tivemos uma perda de quase 50% neste período da pandemia”. Ele atua na área do artesanato há 12 anos. Assim como outros 40 artesãos, Sérgio foi atendido e recebeu apoio da Secretaria de Desenvolvimento Social da PMJP, com as cestas básicas. “O Celeiro nesta parte está ajudando muito os artesãos. Não nos deixaram na mão”, contou Sérgio Teófilo, que produz esculturas em madeira.

“Dando protagonismo ao artesão, a gente consegue cumprir o nosso objetivo de melhorar a economia criativa e também referendar mais ainda a Capital como Cidade Criativa do Artesanato. Valorizar o artesanato que usa a sustentabilidade e ajudar os artesãos”, acrescentou Larissa França.