Bruxelas pretende que os carros elétricos sejam “acessíveis para todos os europeus”

0
386

Bruxelas anunciou que pretende que a maioria dos condutores europeus tenham carros elétricos. Neste sentido, tem em vista a adoção de uma estratégia para que os veículos sejam mais amigos do ambiente e mais baratos, ou seja, para que sejam mais “acessíveis para todos os europeus”, refere Frans Timmermans.

Numa entrevista dada ao Financial Times, o vice-presidente da Comissão Europeia anunciou que, em breve, vai lançar, ainda este mês, medidas para que seja possível reduzir-se as emissões de dióxido de carbono (CO2), em cerca de 55%, até ao ano de 2030.

Você já imaginou acertar 14 pontos com apenas 14 JOGOS na Lotofácil ?

Uma plataforma completa com inteligência artificial Que te GARANTE 14 e até 15 Pontos com apenas 14 Bilhetes.
Hoje você poderá se tornar um apostador PROFISSIONAL!

COMPRAR AGORA

ESTA OFERTA PODE SAIR DO AR A QUALQUER MOMENTO, APROVEITE!

No que a estas medidas diz respeito, destacam-se a redução de emissão de níveis de CO2 de novos carros vendidos durante a próxima década, e a responsabilização dos fabricantes de automóveis, que terão de pagar pela poluição dos veículos que venderem.

“Temos de fazer estas duas coisas para estimular a introdução de veículos elétricos”. Com esta medida, a Comissão Europeia prevê que os preços dos carros elétricos diminuam gradualmente.  Segundo o jornal Eco, a comissão europeia não acredita “que definir uma data para o fim dos carros com motores a combustão seja suficiente, mas dizendo à indústria que seremos cada vez mais restritos em termos das emissões envia essa mensagem e empurra-os nessa direção”.

Timmermans reconhece que “o sentido de urgência não é o mesmo em toda a Europa”. “Se a tua preocupação principal é conseguir chegar ao fim do mês, então o fim da vida na Terra não é algo em que penses todos os dias”, anuncia. “O que quer que apresentemos tem que ser credível de um ponto de vista social. Esta é, sem dúvida, a maior transformação de que há memória. Será difícil.”, finaliza.

As medidas que vão ser lançadas terão que passar pela aprovação da maioria do Parlamento Europeu e pelos 27 Estados-membros da UE.