Bolsonaro diz que vacina contra Covid-19 será distribuída de forma gratuita para toda a população

0
56
Bolsonaro diz que vacina contra Covid-19 será distribuída de forma gratuita para toda a população – Foto: Reprodução

O presidente Jair Bolsonaro afirmou na tarde desta segunda-feira (7) em uma rede social que, se tiver certificação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), uma vacina contra a Covid-19 será oferecida gratuitamente e de forma não obrigatória a toda a população.

Bolsonaro não especificou se isso valerá para qualquer das vacinas em desenvolvimento. Em outubro, ele desautorizou o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, e afirmou que o governo federal não comprará a CovonaVac, desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, de São Paulo — essa vacina se encontra na terceira fase de testes (de comprovação da eficácia) e ainda não tem aprovação da Anvisa.

“Em havendo certificação da Anvisa (orientações científicas e os preceitos legais), o governo brasileiro ofertará a vacina a toda a população de forma gratuita e não obrigatória”, escreveu Bolsonaro, que em seguida complementou: “Segundo o Ministério da Economia não faltarão recursos para que todos sejam atendidos”.

Mais cedo, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), rival político de Bolsonaro, anunciou o início da vacinação contra a Covid-19 no estado em 25 de janeiro, com a CoronaVac.

Também nesta segunda, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou que o Poder Legislativo definirá uma estratégia de vacinação com ou sem a participação do governo, embora tenha ressalvado que “o ideal” seria um plano conjunto.

“As pessoas vão começar a entrar em pânico se o Brasil ficar para trás nessa questão de ter um plano, uma estratégia clara e objetiva. É bom que isso seja feito com o governo. Eu disse já ao presidente Bolsonaro. Mas nós vamos avançar de qualquer jeito, até porque o Supremo também vai avançar. E acho que o melhor caminho é que se faça de maneira integrada entre Executivo, Legislativo e, depois, a decisão final do Supremo”, afirmou Maia.

Pela manhã, em audiência promovida pela Câmara, o secretário de Controle Externo da Saúde do Tribunal de Contas da União (TCU), Marcelo Chaves Aragão, disse que a indefinição sobre quais vacinas vai adotar é um dos pontos negativos do plano de imunização do governo federal.

Com G1