Auxílio emergencial: parcelas serão liberadas a 25 milhões em 2021

0
75

O auxílio emergencial foi um benefício pago pelo governo federal até dezembro para ajudar os brasileiros em meio a pandemia do novo coronavírus. Apesar de os depósitos já terem chegado ao fim, muitos beneficiários do programa ainda não puderam ter acesso ao benefício em espécie.

Sendo assim, cerca de 25,1 milhões de cidadãos ainda receberão o auxílio emergencial em 2021. As liberações continuam sendo feitas nesta semana e ocorrem até o dia 27 de janeiro, com os nascidos em dezembro.

Quem receberá o auxílio emergencial em 2021?

Nesta semana, serão liberados os valores dos nascidos em junho e julho. Os aniversariantes de maio já podem sacar ou transferir o dinheiro do benefício assistencial desde segunda-feira, 11.

Vale lembrar que os calendários são diferentes para beneficiários e não beneficiários do programa Bolsa Família. Para quem não recebe o benefício do governo, o auxílio emergencial foi pago em ciclos, seis no total.

Todos os aprovados receberam ao menos uma parcela. O número de parcelas varia com o mês em que o aprovado que não está cadastrado no Bolsa Família começou a receber o auxílio.

A princípio, o valor é creditado em uma conta poupança digital. Depois, seguindo o calendário da Caixa Econômica Federal, o é liberado para saques e transferências. As datas de autorização de saques são as mesmas para os ciclos 5 e 6.

Quantas parcelas cada aprovado recebeu?

Após o pagamento das cinco parcelas iniciais no valor de R$ 600, novas parcelas de R$ 300 foram distribuídas aos aprovados. Como não foi aberto um novo período para cadastro, somente os que já haviam recebido as primeiras tiveram direito ao valor adicional. Dessa forma, a quantidade de parcelas ficou assim:

  • 9 parcelas para quem recebeu a 1ª parcela em abril;
  • 8 parcelas para quem recebeu a 1ª parcela em maio;
  • 7 parcelas para quem recebeu a 1ª parcela em junho;
  • 6 parcelas para quem recebeu a 1ª parcela em julho.

Leia mais: Auxílio emergencial em 2021? Parlamentar quer a volta do Congresso para discutir prorrogação