Após ser reintegrado à PM, Gabriel Monteiro anuncia saída e se despede da corporação

0
209
Após ser reintegrado à PM, Gabriel Monteiro anuncia saída e se despede da corporação
Após ser reintegrado à PM, Gabriel Monteiro anuncia saída e se despede da corporação

O youtuber e policial militar, Gabriel Monteiro, anunciou nesta sexta-feira (14) o seu desligamento da PM-RJ para se candidatar a vereador. O anuncio foi realizado por meio de seu canal. A decisão tomada por Gabriel ocorre uma semana após ele ser reintegrado a corporação, depois de sofrer acusação de deserção.

“Realmente hoje é meu último serviço na Polícia Militar. Ou eu saio de cabeça erguida ou não terá outra opção, eu vou ser destruído pelo sistema. E já foi falado que minha destruição é certa. Então eu tenho que ser sábio e não deixar que pessoas que não são dignas acabem com minha história” – declarou.

Na publicação, o agora ex-policial relembrou polêmicas levantadas por ele dentro da corporação, como a acusação que realizou ao coronel da reserva Ibis Pereira sobre suas possíveis ligações com o tráfico do Complexo da Maré. Por fim, Gabriel ainda falou em perseguição sofrida por ele dentro da instituição militar e punições administrativas forjadas, justificando a sua saída como uma maneira de garantir a fiscalização das leis.

“Eu só tenho uma maneira para vencer esse sistema: utilizar a lei. Eles não vão me destruir. E a única maneira que eu posso fazer para não ser destruído e começar a fiscalizar o dinheiro público que vai para a polícia, é me blindar em um cargo onde vou ter mais proteção e trabalhar melhor. Assim, essas covardias não vão mais poder acontecer”— disse.

Assista:

Expulsão e reintegração a Polícia Militar

Há poucos dias, Gabriel Monteiro foi expulso da Polícia Militar do Rio de Janeiro pelo crime de deserção, sendo logo depois reintegrado a instituição. Em declaração oficial, a PM do Rio disse que o policial teria faltado ao serviço por dias seguidos e, em função disso, responderia pelo crime de deserção.

O militar foi reintegrado dois dias depois.

No momento, a corporação militar do Rio deixou claro que, mesmo sendo reincorporado, Gabriel continuaria respondendo pelo crime de deserção e também a uma acusação disciplinar por quebra de hierarquia, movida pelo Coronel Ibis Pereira.