Após mais de um ano fechado, Teatro Severino Cabral reabre portas para o público em Campina Grande/PB

0
150
Foto: Reprodução

O Teatro Municipal Severino Cabral reabre as portas para receber o público de forma presencial, com apenas 30% da sua capacidade máxima, depois de mais de um ano fechado, nesta quarta-feira (28), em Campina Grande. O teatro, que tem 58 anos de história, está desde o início da pandemia da Covid-19 inativo para o público, devido ao cumprimento das medidas de biossegurança contra o novo coronavírus, que foram apresentadas em decretos municipais e estaduais desde 16 de março de 2020. Por consequência, os artistas campinenses que faziam os shows de forma presencial, precisaram se reinventar.

No dia 30 de novembro de 2020, em meio a pandemia da Covid-19, o teatro completou 57 anos e não teve evento para comemorar a sua história, pois o espaço estava de portas fechadas, seguindo os decretos de biossegurança que não permitiam a execução de apresentações no local. Por causa do tempo sem atividades para o público, o Teatro Municipal foi alvo de pichações na estrutura externa do prédio.

Na ocasião, o então diretor do Teatro Municipal, Erasmo Rafael, informou que, além das pichações na estátua de Severino Cabral que fica na frente do prédio, houve também o roubo dos cabos de cobre do ar condicionado do teatro e que foi necessário solicitar mais segurança da guarda municipal para que o teatro não fosse mais depreciado depois da sua revitalização.

Para além dos danos materiais do prédio, os artistas que precisavam fazer suas apresentações também foram prejudicados pelo fechamento do Teatro Municipal, pois as apresentações eram a fonte de renda para alguns deles, como conta o professor de teatro e ator Chico Oliveira, que se apresentava nos palcos do Teatro Severino Cabral antes do período de pandemia.

“Infelizmente, sem a possibilidade do encontro presencial no teatro as coisas ficam bem limitadas. Muitos artistas sofrem por causa do fechamento do teatro, alguns [artistas] passam até por necessidades”.

A necessidade dos artistas, também, foi notada pelo atual diretor do teatro, Carlos Alan Pere, que falou sobre os traumas que o setor de eventos vem enfrentado no período da pandemia.

“Sabemos como foi traumático para o setor de eventos e, ao longo do tempo, criou-se uma expectativa em relação ao retorno do público às salas de espetáculos, tanto por parte do público como dos realizadores. E chegar a ver o Teatro com público, mesmo que reduzido, é um alento. Renova esperanças e contribui com o sentimento de segurança e reacende a confiança de que estamos a caminho da normalidade”, diz.

Os artistas de Campina Grande desenvolveram estratégias para que o público pudesse consumir arte no período de isolamento social, por causa do período pandêmico, ao mesmo tempo que os atores conseguissem manter suas fontes de renda.

“Nós conseguimos de forma virtual nos mantermos ativos, pois o teatro exige muito do corpo, além das palavras e outras ferramentas. Mas o corpo é um instrumento essencial para um ator. Mas, apesar do distanciamento, nós [artistas] conseguimos manter o espetáculo de forma virtual. Conseguimos, apesar das limitações, desenvolver algumas atividades”, pontua o professor Chico Oliveira.

A reabertura do Teatro Municipal, além de ser um fomento para a indústria cultural de Campina Grande, segundo Chico, é uma forma de reacender a esperança de dias melhores para quem vive e consome arte.

“A expectativa é muito grande para a reabertura do teatro , pois a partir dessa possibilidade de reabertura a gente pode produzir novas reflexões sobre a nossa arte, sobre o fazer teatral, sobre a importância do teatro e da arte para evolução da humanidade”.

Ver os amigos nos corredores do teatro, o aplauso do público e a sinergia entre o espetáculo e o calor recebido pela plateia, foram as maiores saudades que Chico sentiu em relação às suas apresentações presenciais.

“As maiores saudade que eu tenho são: dos artistas amigos, dos alunos, da energia que o teatro produz. Saudade dessa energia propulsora, do encontro humano. É essa saudade que eu tenho até agora”, lamenta.

Para Chico, mesmo com a felicidade de ver o Teatro Municipal reabrindo as suas portas, ainda é momento de se cuidar e ter responsabilidade, para que o ato de receber o público novamente, mesmo que de forma reduzida, não seja um agravante para a pandemia através do aumento no número de casos da Covid-19. “Eu espero que essa reabertura seja muito sadia. Os números de casos estão baixos, mas é preciso ter muita precaução, para que a gente possa avançar cada vez mais”, conta.

Show continuou mesmo com as portas fechadas

Para alguns artistas de Campina Grande, o show continuou mesmo com as portas do teatro fechadas. Uma dessas artistas foi a Yohanna Gomes, 28 anos, que na necessidade de continuar fazendo as suas apresentações, usou o espaço do Teatro Municipal para gravar o seu documentário sem o público, comemorando os seus 16 anos de carreira no cenário cultural da cidade.

Yohanna conta que se sentiu feliz em poder usar o Teatro Municipal, mesmo sem o público, porém que a reabertura do Severino Cabral renova a esperança dos artistas locais que, assim como ela, sentem saudades dos palcos.

“Como a gente está em um período de pandemia, eu decidi por gravar o meu documentário sem o público, até mesmo como uma forma de entregar entretenimento para as pessoas que gostam no meu trabalho e precisam ficar em casa. Usar o espaço do teatro municipal, mesmo com as portas fechadas, foi uma honra pra mim”, explica.

Decreto sobre a reabertura de teatros, cinemas, circos e eventos

O mais recente decreto estadual, lançado no dia 17 de julho de 2021, permite o funcionamento de cinemas, teatros e circos, com 30% da capacidade e a realização de eventos sociais e corporativos, observando todos os protocolos elaborados pela Secretaria Estadual de Saúde e pelas Secretarias Municipais de Saúde. Sem decreto próprio, Campina Grande segue a flexibilização do decreto estadual.

História do teatro

Inaugurado em 30 de novembro de 1963, uma das motivações para a construção do Teatro Municipal Severino Cabral foi a pressão de um grupo de artistas amadores de Campina Grande, para que fosse aberto um espaço onde eles pudessem mostrar a suas artes, pois as apresentações teatrais na cidade eram realizadas nas salas dos cineteatros Capitólio e Babilônia.

De acordo com informações passadas pelo Teatro Severino Cabral, depois da reivindicação desse grupo de artistas o então prefeito Severino Cabral designou Austro de França Costa, diretor de planejamento e urbanismo da prefeitura de Campina Grande da época para a construção do teatro.

Com G1/PB