Aliada de Bruno e Romero, Eva rejeita diálogo com Veneziano

0
135

Vereadora Eva Gouveia (PSD)

Aliada do prefeito Bruno Cunha Lima (PSD), do ex-prefeito Romero Rodrigues (PSD) e do ex-senador Cássio Cunha Lima (PSDB), a vereadora Eva Gouveia (PSD) afirmou, em contato com o Portal MaisPB na manhã desta quinta-feira (14), que não há condições para que o grupo abra diálogo com o senador Veneziano Vital do Rêgo (MDB) visando as eleições de 2022.

“Faço duras críticas a qualquer movimento de diálogo com Veneziano, porque esse nos trouxe muitos dissabores nas disputas de 2004 e 2008, com ele sim sofremos e muito. Dissabores que ultrapassaram os limites de uma disputa política, que é salutar e faz parte do ambiente democrático.”, enfatizou.

A fala de Eva, viúva do ex-deputado Rômulo Gouveia e fundadora do PSD na Paraíba, acontece no momento em que há uma divisão interna sobre como o grupo irá se comportar em 2022. Gouveia defende a tese de que seja aberto o diálogo entre Romero Rodrigues e João Azevêdo.

“Qual a dificuldade de uma eventual aliança? Romero não tem nenhum desconforto com João, nem João com Romero. O que sempre existiu foi diferença de ideias, o que não impede convergências. Afinal ninguém pensa igual. Nunca existiu ataques, nunca existiu problemas. Eu defendo Romero, defendo o PSD, defendo os que querem vir para o nosso partido, mas sou contrária a discursos de ódio, a alianças que nos evocam sentimentos ruins, dolorosos, sofridos em um passado não tão distante para quem tem memória”, disse.

Eva afirmou que, apesar de ser aliada do prefeito Bruno Cunha Lima, diz ter um pensamento divergente com o gestor.

“Sou aliada do governo municipal, voto a favor das matérias do governo, enxergo resultados nas ações da prefeitura, acredito na liderança de Bruno, mas isso não impede que eu pense diferente. Dentro de Campina a minha postura na Câmara é a prova de que sou aliada e sinceramente, aliada de verdade, de primeira hora. Mas, não penso igual a ele, porque não vejo dificuldade de Romero conversar com João, nem muito menos de ter uma eventual aliança, se, claro, for o que ele entender como melhor. E Joao não é Ricardo”, argumentou.

MaisPB