Acusado de matar estudante de Medicina em João Pessoa tem ‘regalias’ na prisão especial; confira

Johannes Dudeck, acusado de matar a estudante de Medicina, Mariana Thomaz, no apartamento dele em João Pessoa, conseguiu ‘regalias’ na prisão especial no bairro do Valentina. Segundo reportagem da TV Arapuan, exibida nessa segunda-feira (14), Johannes está em cela isolada com direito a visita social e visita íntima e banho de sol “particular”, isolado dos demais detidos.

O empresário é suspeito do assassinato da cearense e acionou o Samu dizendo que ela teve convulsões. Mas a perícia constatou que havia marcas de estrangulamento na jovem e, por isso e pelo histórico de indiciamentos de Johannes na Lei Maria da Penha, ele foi preso em flagrante e a prisão foi convertida em preventiva.

Johannes Dudeck foi encaminhado, após audiência de custódia, ao presídio especial no bairro do Valentina por ter curso superior. “Ele vai ficar à disposição da Justiça. Ele foi encaminhado a uma cela de reconhecimento, onde vai passar sete dias nesse reconhecimento para, em seguida, a direção da unidade identificar, através do perfil dele, qual a melhor cela em que ele vai ficar no convívio com os outros presos”, explicou o gerente da Secretaria de Administração Penitenciária, Ronaldo Porfírio.

Ainda de acordo com o gerente da Seap, Johannes “vai ter duas horas de banho de sol por dia, de forma isolada, já que ele está no reconhecimento. Vai ter direito às alimentações, além de materiais de higiene pessoal e os familiares também fornecem para os presos. Ele pode receber uma visitar social e uma visita íntima.”

Johannes está numa cela de 16 metros quadrados e mostra-se “tranquilo, de cabeça baixa e em silêncio”, também segundo relatou Ronaldo Porfírio à TV Arapuan.

Com histórico de diversos indiciamentos na Lei Maria da Penha, o novo capítulo na vida de Johannes Dudeck envolve a morte de Mariana Thomaz. Ela foi encontrada estrangulada dentro do apartamento dele, no bairro do Cabo Branco, em João Pessoa, no último sábado.

“O laudo cadavérico indica lesões de natureza sexual. A causa morte foi asfixia por esganadura”, informou o delegado Joames Oliveira ao Arapuan Verdade, nesta segunda-feira. Ainda segundo o delegado, Mariana e Johannes Dudeck estariam namorando há “menos de um mês”.

O delegado aguarda o laudo pericial do apartamento e outros materiais para aprofundar a investigação. Johannes Dudeck é o suspeito de matar a namorada, pois foi encontrada o sinal de estrangulamento na jovem e o histórico de indiciamentos na Lei Maria da Penha, contra ele, firmam ainda mais as suspeitas contra o empresário.

Com Click PB